Banner Acima Menu INTERNAS

DEPUTADO QUER FIM DAS VISITAS INTIMAS EM PRESÍDIOS

 Um projeto de lei que tramita na Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) quer acabar com as visitas íntimas nos presídios locais. O PL 2.326, de 2021, de autoria do deputado 

Reginaldo Sardinha (Avante)


Reginaldo Sardinha (Avante), ainda não chegou ao plenário da Casa, mas é criticado pela associação que representa familiares de detentos.

A proposta altera a Lei nº 5.969, de 16 de agosto de 2017, que institui o Código Penitenciário do DF. O novo texto veda a realização de visitas íntimas aos detentos. Uma das justificativas do distrital é que a permissão “contribui como meio de comunicação para o crime organizado”.

Conforme o PL, a falta de uma lei vedando expressamente a visita íntima levou o Departamento Penitenciário Nacional a editar a Portaria 718/2017 que proíbe a prática em prisões federais. “A Portaria foi cassada por três vezes por decisões de primeira instância da Justiça Federal, mas nos três casos o Tribunal Regional Federal da 1ª Região cassou a ordem e renovou a proibição das visitas.”

“Portanto, ao nosso ver, a vedação a visita íntima deve também ser regra no sistema penitenciário do DF. O cumprimento da pena deve ser integral e com a devida severidade, de forma que puna exemplarmente os bens jurídicos agredidos pelo criminoso”, defende Sardinha na justificativa do projeto.

“O [presídio] feminino ainda é pior, porque o cara chega lá, engravida e a mulher depois de seis meses tem que ser apartada da criança”, completa Reginaldo Sardinha.

Postar um comentário

1 Comentários

  1. Parabéns ao deputado pela excelente ideia, com esse projeto. Espero que os covardes deputados federais se espelhem nesse deputado distrital, façam um lei com abrangência nacional. Cadeia não é parque de diversão.

    ResponderExcluir

ATENÇÃO!!!! COMENTÁRIOS LIBERADOS!!!! MAS...O BLOG não se responsabiliza por comentários que contenham ataques pessoais e ou ofensas a pessoas físicas, jurídicas ou conteúdo que possa por ventura ser interpretado, pelos órgãos de correição, como transgressão da disciplina, crime militar ou comum. Neste espaço não é permitido a discussão de temas militares, por conta da legislação castrense. Na medida do possível o administrador do BLOG irá moderar os comentários que julgar necessário.