A CPI da Pandemia pode ser ótima para Bolsonaro

Por Sérgio Praça

O principal motivo é que há uma novidade ainda não bem incorporada por muitos analistas: a circulação de informações políticas não tem a mesma dinâmica, hoje, de dez anos atrás. O clichê é verdadeiro. As redes sociais – especialmente o Whatsapp, que não é bem uma rede – mudaram a relação das pessoas com a informação política. Receber notícias de escândalos envolvendo meu político predileto não me torna menos propenso a votar nele. Talvez o contrário: notícias “ruins” podem me irritar, reforçar minhas preferências políticas e diminuir minha confiança na imprensa tradicional.

Essa dinâmica não depende, necessariamente, da internet – embora por ela seja reforçada.

As duas CPIs de potencial mais perigoso para presidentes brasileiros foram a CPI contra Fernando Collor de Mello, em 1992, e a CPI dos Correios (que também investigou o “mensalão”) em 2005, no primeiro mandato do governo Lula. Os efeitos foram desiguais. A comissão que revelou os esquemas de seu comparsa PC Farias foi a pá-de-cal em Collor.

Mas Lula sobreviveu bem às investigações, pois sacrificou ministros importantes e o crescimento econômico do país à época lhe dava segurança. Qualquer notícia de escândalo era atribuída ao “PIG” – Partido da Imprensa Golpista. Reelegeu-se no ano seguinte sem sustos. O escândalo não tirou sua popularidade.

Talvez o mesmo aconteça agora, por vias diferentes, com Bolsonaro. Basta que seus apoiadores mais notórios, como a deputada federal Carla Zambelli (PSL), sigam criando fatos para manter a dinâmica das redes sociais bem alimentada.

Diz o artigo de Sérgio Praça

Cientista político com doutorado pela Universidade de São Paulo e professor da FGV CPDOC para a EXAME

Postar um comentário

1 Comentários

  1. Gostei do artigo. Bastante lúcido. Só achei o último parágrafo um pouco evasivo.

    ResponderExcluir

ATENÇÃO!!!! COMENTÁRIOS LIBERADOS!!!! MAS...O BLOG não se responsabiliza por comentários que contenham ataques pessoais e ou ofensas a pessoas físicas, jurídicas ou conteúdo que possa por ventura ser interpretado, pelos órgãos de correição, como transgressão da disciplina, crime militar ou comum. Neste espaço não é permitido a discussão de temas militares, por conta da legislação castrense. Na medida do possível o administrador do BLOG irá moderar os comentários que julgar necessário.