Pacientes recuperados da COVID-19 Têm Imunidade – Mesmo sem anticorpos

Um novo estudo em Israel confirma que as reinfecções são extremamente raras, sugere que os testes sorológicos de anticorpos não refletem a imunidade.

Um novo estudo realizado com profissionais de saúde israelenses sugere que as pessoas infectadas com o coronavírus desenvolvem um alto grau de imunidade ao vírus – mesmo quando os níveis de anticorpos para COVID-19 são baixos ou mesmo inexistentes.

De acordo com um relatório da terça-feira pelo Canal 12, um artigo de pesquisa assinado pelo Dr. Tal Brosh, chefe da Unidade de Doenças Infecciosas do Hospital Assuta e membro do comitê governamental de distribuição da vacina contra o coronavírus, descobriu que as reinfecções de COVID são extremamente raras, e que os testes sorológicos amplamente disponíveis e comercialmente distribuídos para anticorpos contra o coronavírus são ineficazes para determinar se uma pessoa desenvolveu imunidade ao vírus.


“De acordo com os dados existentes hoje, os testes sorológicos para a presença de anticorpos não são uma ferramenta eficaz para avaliar se há um nível suficiente de anticorpos para oferecer imunidade contra a infecção, seja de infecção natural ou de vacinação”, diz o documento de pesquisa em parte.


“Portanto, não é recomendado que esses testes sejam usados ​​para monitorar o progresso após o recebimento da vacina, exceto como parte da pesquisa médica”.

Os autores do documento da pesquisa observaram que os estudos mostraram que os níveis de anticorpos para COVID tendem a cair significativamente nas amostras de sangue coletadas de pacientes recuperados após quatro a oito meses a partir do momento da infecção. No entanto, mesmo indivíduos sem anticorpos contra COVID tenderam a ter imunidade eficaz ao vírus.

O estudo examinou cerca de 12.000 profissionais de saúde que foram infectados com o coronavírus e se recuperaram. Enquanto alguns dos indivíduos desenvolveram anticorpos, de acordo com os testes sorológicos, outros não. Os resultados dos testes sorológicos, no entanto, deram poucas indicações de imunidade geral, concluiu o estudo. Apesar de muitos dos indivíduos não terem anticorpos para COVID mensuráveis, as reinfecções foram consideradas extremamente raras.

“Não temos dados que indiquem que o nível de anticorpos encontrado pelos vários testes disponíveis comercialmente distingue entre as pessoas que estão imunes após a recuperação e aquelas que não estão”.


“Uma pessoa que se recuperou deve ser considerada imune, mesmo que tenha recebido testes sorológicos [anticorpos] negativos”, concluíram os autores, argumentando que os testes sorológicos deveriam ser encerrados para pacientes com coronavírus recuperados.

Este é o segundo estudo recente que descobriu que as reinfecções são raras após uma infecção natural com o coronavírus.

Um estudo com 43.044 pessoas rastreadas por até 35 semanas no Qatar descobriu que apenas 0,02% experimentaram reinfecção, sugerindo que a infecção natural cria um alto nível de imunidade por um longo período de tempo.

FONTE: https://www.israelnationalnews.com/News/News.aspx/295712

Postar um comentário

0 Comentários