Suspeito de corrupção internacional que contratou Moro começa a ser julgado na Suíça

Começou o julgamento na Suíça do bilionário israelense Beny Steinmetz, acusado de organizar a transferência de US$ 8,5 milhões para explorar uma mina de ferro na República da Guiné. No ano passado, o executivo contou com um parecer de Sérgio Moro. Depois entrou na corte de Genebra, cercado por seus advogados estrangeiros. Moro não integrava a equipe

Beny Steinmetz e Sérgio Moro (Foto: Reuters)


Começou nesta segunda-feira (11) o julgamento na Suíça do bilionário israelense Beny Steinmetz, acusado de "corrupção de funcionários públicos estrangeiros" e "falsificação de documentos". O empresário é acusado de organizar a transferência de pelo menos US$ 8,5 milhões de 2006 a 2012 para garantir o direito de explorar a mina de ferro Simandou, na República da Guiné. Ele fechou, 18 meses depois, um acordo de parceria com a Vale, no valor de US$ 2,5 bilhões. A informação foi publicada pela coluna de Jamil Chade

No ano passado, Steinmetz contou com um parecer do ex-juiz Sérgio Moro. Sete anos após a abertura do processo, Steinmetz entrou na corte de Genebra, cercado por seus advogados estrangeiros. Moro não integrava a equipe.

De acordo com a promotoria pública de Genebra, o executivo passou a fazer parte, em 2005, de um "pacto de corrupção" com o ex-presidente da Guiné Lansana Conté, que esteve no poder de 1984 a 2008, e sua quarta esposa, Mamadie Touré. Pelo menos US$ 8,5 milhões foram transferidos para Touré, em parte através de contas bancárias suíças.

Fonte: Brasil 247

Postar um comentário

0 Comentários