Soldado é o único militar de Brasília a concluir curso de atirador de precisão da PF

 


    Escrito por Alan Borges |

    O trabalho de sniper requer a maior precisão e a maior concentração. Na Polícia Militar, é certamente o que mais demanda controle emocional. O atirador de precisão não pode errar. Por isso, poucos conseguem reunir os atributos para compor o grupo de atiradores de elite da PMDF.

    O soldado R. Aquino acaba de preencher todos os requisitos necessários para se tornar um sniper. Ele foi o único representante do Distrito Federal a concluir a edição de 2020 do Curso de Atirador de Precisão promovido pelo Comando de Operações Táticas (COT) da Polícia Federal. Ele se junta ao time dos atiradores de elite da PMDF, que conquistaram o posto depois de aprovações nos mais rigorosos cursos de formação de atiradores de precisão.

    “A gente passou por várias provas que exigiram controle emocional acima da média”, conta. “Além disso, o aluno precisa ter excelente condicionamento físico”. Dos 20 policiais militares de vários estados brasileiros que tentaram, apenas 14 concluíram o curso.

    Para se tornar atirador de precisão, o policial necessita ter resistência física para passar horas seguidas na mesma posição, saúde de aço, concentração e equilíbrio psicológico. “O sniper deve ter grande capacidade de lidar com pressão”, explica Aquino. Foram dados mais de mil tiros nas cinco semanas do curso concluído nesta terça-feira (8).

    Mas se engana quem pensa que basta frequentar o mais renomado curso de atirador de precisão do Brasil para conquistar o cobiçado título de sniper. Em seis anos na PMDF, o soldado Aquino fez o Curso de Operações Especiais, Patamo, entre outros, e serve no Batalhão de Operações Especiais há cinco anos. “As exigências são grandes e a formação é complexa”, resume.

    Os atiradores de precisão são exigidos em ocorrências complexas e de alto risco, como sequestro, roubo a banco e resgate de refém. “Normalmente essas situações possuem grande clamor social com cobertura da imprensa, muitas vezes, ao vivo”, revela Aquino. Na PMDF, os atiradores estão aptos a evitar fatalidades.

    Postar um comentário

    0 Comentários