Plano de transição à quarentena foi apresentado a secretários estaduais.



Um plano de transição à quarentena elaborado pelo Ministério da Saúde prevê que escolas e universidades ficarão fechadas em abril, mas fala em abrir bares com 50% da capacidade.
O documentos foi distribuído para secretários estaduais de saúde e gestores do Sistema Único de Saúde (SUS), segundo o jornal Folha de S.Paulo.
Medidas de isolamento da população estão sendo tomadas para evitar a disseminação da COVID-19, doença causada pelo novo coronavírus, seguindo recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS).
Embora o próprio Ministério da Saúde venha orientando a população a ficar em casa, o presidente Jair Bolsonaro defende o isolamento vertical, abrangendo apenas idosos e grupos de risco.
Por um lado, o plano do governo reforça a quarentena, ao afirmar que as escolas e universidades ficarão fechadas em abril, com possibilidade de permanecerem sem funcionar em maio.
Além disso, o documento prevê restrições a eventos e cultos, pede a prática de home office e sugere o distanciamento das pessoas.
Documento fala em afastamento dos idosos por 3 meses
Por outro lado, emite sinais diferentes e mais em linha com a proposta de Bolsonaro de liberar o comércio, pois o plano sugere que bares e restaurantes funcionem, embora com 50% de capacidade e reforço de ações de prevenção.
Em outro ponto que se assemelha mais a um isolamento vertical, o documento prevê o afastamento de idosos e pessoas de grupos de risco de atividades sociais e trabalho por três meses, sem mencionar o restante dos cidadãos.
A proposta indica ainda que trabalhadores informais poderiam ser contratados como "promotores de saúde" durante o período de emergência, tendo como função orientar a população nas ruas e identificar idosos e enviá-los as suas casas. (Sputnik Brasil)

Postar um comentário

0 Comentários