Nota pública do Policiais Militares do DF excluídos injustamente


NOTA SOBRE AS INJUSTIÇAS QUE OCORRERAM COM SERVIDORES CONCURSADOS NA POLÍCIA MILITAR DO DISTRTO FEDERAL


 Governador Ibaneis Rocha,

A situação de injustiça que ocorreu com vários pais de família, que prestaram concurso público, fizeram curso de formação, se tornaram policial militar de 1ª classe e tiveram seus direitos violados pelo fato de não terem sido assegurado ao mesmos, à época, a  ampla defesa e o contraditório.
Os demandantes, ingressaram na Corporação mediante concurso público de provas e títulos e foram licenciados ex officio “a bem da discipliana” com base no art. 109, inc. II, parágrafo 2º da Lei nº 7.289/84, alterada pela Lei nº 7.475/86 c/c art. 29, parágrafo 1º, inc. I, do RDPMDF, aprovado pelo Decreto nº 6.244/81 (a bem da disciplina).
Alegamos que os atos que determinaram os nossos licenciamentos são arbitrários, caracterizando situações absurdas, pois não respondemos a nenhum inquérito ou mera sindicância quiçá um processo administrativo.
A exclusão a bem da disciplina teve como fundamento uma ou várias faltas disciplinares, ou até mesmo, tão somente a vontade de alguns oficiais, naturalmente, deve-se conceder ao policial militar punido a oportunidade de se defender com a devida contradita.
Com o advento da Carta Magna de 1988, os procedimentos administrativos revestiram-se de certas garantias, não havendo, desta feita, imposição de sanções sem a observância dos princípios da proporcionalidade, do devido processo legal, da legalidade e da moralidade.
Os preceitos oriundos da Constituição Federal são observados nos procedimentos punitivos militares, não sendo permitido ao superior hierárquico, sob qualquer pretexto, negar ao suposto infrator todos os meios necessários e legais para a realização de sua defesa. Os direitos e garantias individuais são oponíveis erga omnes, ou seja, alcançam a todos independentemente de quaisquer diferenças, salvo as próprias limitações legais.
A Bíblia Sagrada já proclamava o imperativo da descrição clara dos fundamentos acusatórios para o exercício da defesa pelo acusado, em passagem neotestamentária quando o Governador Festo, em face da invocação da garantia processual do apóstolo Paulo, como cidadão romano, de ser julgado perante o Imperador, averba: “Porque não me parece razoável remeter um preso, sem mencionar ao mesmo tempo as acusações que militam contra ele” (Atos 25.27).
O direito de defesa é constitucional e indispensável, sua relevância se origina de épocas bastante remotas. Neste sentido não se pode olvidar o estabelecido pela Bíblia em João cap. 7, versículo 51: “Acaso a nossa lei julga um homem sem primeiro ouvi-lo e saber o que ele fez?”. Ademais, Montesquieu também já havia consagrado o direito de defesa na célebre frase: “a injustiça feita a um homem é uma ameaça feita à humanidade”.
Significa que, se for necessário rever determinado ato ou conduta, a Administração poderá fazê-lo ex offício, usando sua auto-executoriedade, sem que dependa necessariamente de que alguém o solicite. Tratando-se de ato com vício de ilegalidade, o administrador toma a iniciativa de anulá-lo.
Ricardo Da Silva Santos, 992368971



Postar um comentário

1 Comentários

  1. Em São Paulo criamos associação de ex PMs.para rever esta injustiças na corporação somos quase 30 mil.demitidos expulsos sem motivos desabonadores..pelo RQUERO.

    ResponderExcluir

ATENÇÃO!!!! COMENTÁRIOS LIBERADOS!!!! MAS...O BLOG não se responsabiliza por comentários que contenham ataques pessoais e ou ofensas a pessoas físicas, jurídicas ou conteúdo que possa por ventura ser interpretado, pelos órgãos de correição, como transgressão da disciplina, crime militar ou comum. Neste espaço não é permitido a discussão de temas militares, por conta da legislação castrense. Na medida do possível o administrador do BLOG irá moderar os comentários que julgar necessário.