PM,s não aceitam transição para 35 anos de serviço

O deputado Capitão Augusto (PR-SP). (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

Sobre a reforma dos militares dos estados, Capitão Augusto lembra que seu grupo vota sempre fechado e diz que policiais militares e bombeiros têm carreiras muito diferentes das de integrantes das Forças. Segundo ele, ninguém “deu procuração” para que negociassem por eles.
Os policiais e bombeiros não querem regra de transição e defendem que o aumento da contribuição por tempo de serviço de 30 para 35 anos só valha para quem ingressar nas corporações após a reforma. É o que aponta o painel Folha

Postar um comentário

0 Comentários