Polícia Militar de Minas ameaça parar.

Imagem que circula nas redes sociais já marca a data para a paralisação. 
Em grupos de WhatsApp de militares já é discutida a possibilidade de greve caso o pagamento do 13° não seja realizado.

A Secretaria Estadual de Fazenda de Minas Gerais divulgou, na tarde desta sexta-feira (7), a escala de pagamento do funcionalismo público do mês de dezembro. Não foi dada uma previsão para o depósito do 13° salário. 
Os servidores vão receber R$ 2.000 no dia 13 de dezembro e o restante no dia 28 de dezembro. O valor da primeira parcela é menor da que foi paga no último mês, o que incomodou os servidores. Eles pediram durante o encontro que a segunda parcela seja adiantada. 
O representante do governo na reunião, o assessor de relações sindicais, Carlos Calazans, não garantiu que isso seja possível de realizar, mas garantiu esforços do Estado em relação a essa questão. Ao sair do prédio do BDMG, ele foi vaiado por servidores da saúde que manifestavam no local.
Uma nova reunião na próxima sexta-feira  (14) foi marcada pelo governo para discutir sobre o pagamento da bonificação natalina.
O calendário foi divulgado após reunião da Comissão de Acompanhamento da Folha de Pessoal, que é formada por representantes do governo estadual e de sindicatos dos servidores públicos. A reunião ocorreu na sede do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), no bairro de Lourdes, na região Centro-Sul de Belo Horizonte.
Os servidores estaduais estão recebendo de forma escalonada desde fevereiro de 2016. Desde então a remuneração é parcelada em até três vezes para quem recebe mais do que R$ 3.000. A justificativa do Executivo para adotar essa medida é o déficit fiscal do Estado, aliado à crise econômica do país.
13° salário indefinido
A expectativa era de que nessa reunião o Estado divulgasse ou pelo menos desse algum indicativo de quando o funcionalismo receberá o 13° salário. Contudo, isso não ocorreu e já é ventilada a possibilidade que o benefício somente seja pago em 2019. Com isso, a responsabilidade desse passivo financeiro ficaria nas mãos do governador eleito Romeu Zema (Novo).
O atraso de salários e a ausência de perspectivas para o pagamento da bonificação natalina, inclusive, motivou ontem um protesto dos servidores do Estado, na Cidade Administrativa, na região Norte da capital mineira. Os manifestantes andaram por vários andares dos prédios e protestaram na porta da sala do secretário de Estado de Planejamento e Gestão, Helvécio Magalhães. Eles não foram atendidos pelo gestor. 
Também por conta dessa indefinição do pagamento do benefício, associações da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros acionaram à Justiça. Os militares querem que o Judiciário obrigue a administração estadual a depositar, até o dia 20 de dezembro, o 13º salário.
As informações dessa matéria são de O Tempo




Postar um comentário

0 Comentários